Menu

"A rádio do povo de Deus"

Durante gravação do filme “Invencível”, Angelina Jolie teria vivido experiências de fé e milagre

12 DEZ 2014
12 de Dezembro de 2014

A atriz Angelina Jolie teria vivido experiências espirituais durante a produção de seu segundo filme como diretora: “Invencível”. Conhecida como alguém que nunca fala sobre sua espiritualidade, a estrela hollywoodiana teria pedido – e conseguido – um milagre.

O longa-metragem conta a história de Louis Zamperini, um atleta olímpico e prisioneiro durante a Segunda Guerra Mundial. A história de Zamperini, que morreu aos 97 anos no último dia 02 de julho, foi contada no livro “Invencível: Uma história da II Guerra Mundial sobre Sobrevivência, Resiliência, e Redenção”, que agora virou filme.

Segundo informações do Christian Post, durante as gravações do filme, Angelina Jolie, 39 anos, teria enfrentado uma situação delicada nos bastidores, e o testemunho de Zamperini a inspirou a buscar ajuda divina.

Jolie precisava filmar a última cena do filme em New South Whales, na Austrália, e o clima não estava a contento: “Ela não era uma pessoa de fé e nunca havia orado antes, mas ela se viu na última cena do filme… Eles precisavam de luz solar para filmar essa cena muito importante e tinha havido uma tempestade que vinha acontecendo por um tempo”, disse Cynthia Garris, filha de Zamperini, durante uma entrevista coletiva em Nova York na última sexta-feira, 06 de dezembro.

“[Angelina] disse: ‘Eu não sei o que fazer, então eu vou fazer o que Louis [Zamperini] faria’. Ela ficou de joelhos e orou por um milagre… Todo mundo viu isso. A chuva parou, o sol saiu, um arco-íris saiu, ela disse: ‘Vamos começar este take’, e eles filmaram a cena. Quando ela disse ‘corta’, começou a chover de novo”, relembrou Cynthia.

O impulso de Angelina para arriscar uma oração foi um testemunho de fé contado por Zamperini a ela. A filha do ex-atleta olímpico diz que a história de vida de seu pai tem capacidade “de impactar até mesmo as pessoas mais céticas”.

“Ela foi movida pela fé do meu pai para tentar isso [oração] e é o que ele queria que acontecesse com as pessoas a partir do filme. Eu vou te dizer, quando meu pai morreu, estávamos todos com ele no hospital. [Angelina] chegou cerca de 45 minutos mais tarde e ela estava apontando acima dizendo: ‘Eu sei que ele está lá com Deus’. Eu acho que talvez, no plano de Deus para Angelina, ela deveria encontrar meu pai e fazer este filme para, assim, encontrar o seu caminho em uma vida que desse espaço ao Todo-Poderoso”, resumiu Cynthia.

Dentre as inúmeras provações pelas quais Zamperini passou, estão a queda do avião onde viajava, a sobrevivência por 47 dias em uma jangada que ficou à deriva no Oceano Pacífico, a captura e tortura por militares japoneses e sua conversão ao Evangelho durante uma cruzada evangelística do evangelista Billy Graham, em 1949.

Angelina Jolie pediu a Zamperini que sua história fosse contada como uma jornada de fé, sem menções diretas ao cristianismo, para que seu testemunho não sofresse retaliações em países que a fé cristã não é bem aceita.

Assim, o filme “Invencível” narra a história de Zamperini como a jornada de um herói que venceu as tribulações da Segunda Guerra Mundial: “Fizemos isso de forma universal, não especificamente sobre uma fé, e isso foi algo que decidimos em acordo com Louis. Ele disse que queria que a mensagem chegasse a todos. Ele disse para falar da fé e do perdão, algo universal… Ele disse que isso tinha que se focar no alcance de todos e isso deve falar com todo mundo… Se você estava procurando simbolismo e milagres no filme, você vai vê-los”, afirmou Angelina Jolie.
Voltar

SITE OFICIAL